quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

FANTÁSTICO: DESCRIÇÃO DE JESUS CRISTO, feita numa carta de um Governador da Judeia para o Imperador Romano, carta essa cuja autenticidade é garantida pelo original existente em Roma

Introdução: Esta é a minha prenda de Natal aos meus leitores, com os votos de Boas Festas 2015, com a presença de JESUS CRISTO. O Natal existe, porque Jesus nasceu.
Incluo esta imagem para chamar a atenção, não tem a ver, directamente, com a descrição em causa.
Deliciem-se,e...partilhem
Henrique Cayolla

DESCRIÇÃO EXTRAORDINÁRIA E DETALHADA, DE JESUS CRISTO

Há 87 anos, nas páginas de um quinzenário então existente, “O Trofense” (Número 38, de 23.12.1928) veio inserido um documento histórico, com quase 2000 anos, que foi depois transcrito no Jornal da Trofa de 19.12. 2008, pelo colaborador Costa Ferreira, com os seus comentários, conhecedor como era de tais matérias, dada a sua formação.
Esse documento, tinha uma autenticidade garantida pelo original existente em Roma, como afirmou o Jornal “La Defesa”, em cujas páginas o documento foi publicado, e onde o foi recolher aquele quinzenário trofense.
O autógrafo dessa carta, pois trata-se de facto de uma carta, encontra-se conservado na capital italiana, a comprovar, portanto, a sua veracidade.
Trata-se duma carta de Pubblio Lentulo, Governador da Judeia, antecessor de Pôncio Pilatos no Governo da Judeia, carta essa remetida ao Imperador Romano, César, enviada de Jerusalém para Roma, cujo teor era o seguinte:
“ Soube, ó César, que desejavas ter conhecimento do que te passo a referir, isto é, que há aqui um homem, chamado Jesus Cristo, a quem o povo proclama profeta e os discípulos dele afirmam ser divino, Criador do céu e da terra e de tudo quanto neles se encontra ou foi feito.
Efectivamente, ó César, todos os dias chegam notícias das maravilhas desse Cristo; ressuscita mortos e sara os doentes com a sua palavra. Homem de bela estatura e aspecto atraente, é tão majestoso de porte que todos que o contemplam forçosamente se sentem impelidos a amá-lo.
Tem o cabelo cor de noz não bem madura e cai-lhe até às orelhas; e das orelhas até aos ombros é cor da terra, mais brilhante todavia. O nariz e a boca não podem encontrar semelhantes em mais ninguém. A barba é espessa, parecida ao cabelo, não muito longa e repartida ao meio. O olhar profundo e grave e as pupilas parecem dois raios de sol.
Ninguém pode fitar-lhe o rosto porque deslumbra. Quando repreende, apavora; quando adverte, chora; faz-se amar por todos e é alegre com gravidade.
Diz-se que ninguém o viu rir, mas chora muitas vezes. Tem mãos e braços esbeltos.
Na conversação é amável com todos, mas conversa pouco e sempre com extrema modéstia, sendo aliás o homem mais belo que pode imaginar-se.
Parece-se muito com a mãe, que é a mulher mais formosa que jamais por aqui se viu.
Ora, se tua majestade, ó César, deseja vê-lo, como me escreveste nas outras cartas, avisa-me que eu imediatamente to enviarei.
Ele enche de doutrina toda a cidade de Jerusalém. Nunca estudou e sabe todas as ciências. Muitos o escarnecem, mas, diante dele, ficam calados e a tremer.
Diz-se que nunca se viu nem ouviu homem assim nestas regiões. Efectivamente, no dizer dos hebreus, nunca em tempo algum se ouviram conselhos semelhantes, nem doutrina tão grandiosa como a que ensina este Cristo; e muitos judeus o têm por divino e crêem nele; e muitos o acusam a mim, dizendo, ó César, que ele é contrário à tua majestade.
Eu sinto-me muito apoquentado por estes maus hebreus. Diz-se que ele nunca fez mal a ninguém. Mas, antes, bem a todos; e os que o conhecem e têm experimentado, afirmam que dele só têm recebido benefícios e saúde.

De tua majestade fidelíssimo, obedientíssimo, – Jerusalém, sétima indicação, lua undécima – Pubblio Lentulo, Governador da Judeia.”

NOTA DO BLOG: Este documento, fez parte integrante da Minha Crónica nº 25 publicada neste Blog em 16.03.2014, e publicada no jornal " O Primeiro de Janeiro" em  20.12.2011.

Sem comentários:

Publicar um comentário